#Restaurante Bené da Flauta

Não bastassem os fabulosos lugares que eu e o namorado conhecemos em Belo Horizonte/MG, Ouro Preto nos reservava outros tantos, a começar pelo Bené da Flauta. Como a idéia era ficar apenas um dia na cidade – e logo partir para Tiradentes/MG -, não pensamos duas vezes e aproveitamos a dica de um amigo. E não nos arrependemos nem um segundo. Pelo contrário, fomos agraciados por indicação tão preciosa.

O restaurante, localizado do coração do centro histórico de Ouro Preto (ao lado da Catedral de São Francisco de Assis e atrás da feirinha), fica em um antigo sobrado colonial que foi construído sobre o terreno que, no século XVIII, continha a edificação que abrigou os alferes que pintaram o forro da nave e os painéis da capela-mor da Igreja de São Francisco de Assis (Manuel da Costa Ataíde e ajudantes) entre os anos de 1799 e 1812.

O restaurante, lindo e com ótimo atendimento (o que é absolutamente comum em se tratando de Minas Gerais, mas impressionante para turistas como eu, que vivenciam o padrão Florianópolis de atender), conta com três ambientes destinados à alimentação: um logo na entrada, outro ao fundo do salão, em desnível (alguns poucos degraus – foto ao lado) com aquele, e um terceiro no andar superior.

Todos, no entanto, contam com amplas janelas, pelas quais é possível se deliciar com a paisagem do entorno do lugar, o que, por si só, já vale a visita, principalmente se você for fã de fotografia, como eu sou:

“Enquanto você almoça, janta ou toma um simples café, é possível vislumbrar a obra-prima de Aleijadinho: a porta da igreja de São Francisco de Assis. Olhando para a frente, tem-se a imperdível vista do Antônio Dias, da Rua dos Paulistas, da casa de Scliar. Volte-se para a esquerda, está lá a igreja de Santa Efigênia e sua silhueta altaneira. Mais embaixo, a capela das Dores; nos fundos, a Mercês de Baixo; ao longe, o Itacolomi.”

No subsolo do restaurante encontra-se uma adega muito charmosa, os banheiros (lindos e limpos) e um acesso ao jardim da casa (este acabei não conhecendo). A adega conta com uma imensa variedade de rótulos, por preços bem interessantes.

As bebidas, aliás, são variadas em todas as categorias, com uma enorme gama de drinks, águas importadas e nacionais e praticamente todos os choppes (5,40 pilas) e cervejas da Falke Bier – cervejaria carro chefe do lugar, cuja parceria parece ser antiga e funciona muito bem.

Muito embora seja regra na região os pratos fartos e a comida em abundância, acreditamos que seria possível pedir uma entrada além do prato principal e conseguir dar conta de tudo. Não que tenha sido um martírio encher o buchinho de tantas delícias, mas as limitações físicas/biológicas eram superiores à vontade.

Apesar de a casa contar com uma vasta gama de pratos – que vão das trutas, passando pelo salmão, bacalhau, até os torresmos e demais pratos tradicionais -, preferimos o último, começando com a entrada: língua ao molho madeira com cesta de pães (21 pilas).

O que deveria ser um mero aperitivo, a iniciar os trabalhos do almoço, mostrou-se uma verdadeira refeição, tanto que ao final, já com o prato devidamente raspado – pois aquele molho dos deuses não podia ser desperdiçado, encontrava-me satisfeita, podendo pedir a sobremesa e ir embora.

Detalhe: comemos em dois a entrada. Mas o prato principal ainda nos esperava.

Os garçons e a cozinha são afinadíssimos no tempos dos pratos, cuidando para que a entrada seja devidamente degustada e, após uma breve pausa, seja servido o prato principal.

Escolhemos o feijão tropeiro (39 pilas) para arrebatar a fome – se ainda houvesse alguma -,  contendo arroz, feijão tropeiro, torresmo, linguiça, couve refogada, lombo de porco, ovo frito e farofa (as carnes e ovos em dupla, já que um prato para duas pessoas). Uma delícia que não foi devidamente apreciada por conta de o buchinho já estar bem cheio da entrada.

Além de os pratos serem servidos em panelas de ferro, mantendo o calor por mais tempo e garantindo uma refeição quente até o final, os garçons tomam o cuidado de trocarem a louça da mesa por outra aquecida, mantendo a temperatura correta mesmo quando retirado o alimento da panela.

Depois de tanta comilança, não houve espaço para a sobremesa, mas pareciam apetitosas, além de manter a linha dos pratos: preço justo e fartura.

Com toda certeza, um restaurante que não deve ser ignorado por quem passa em Ouro Preto.

A título de curiosidade, a história do nome do lugar:

“Animador dos primeiros Festivais de Inverno da cidade de Ouro Preto, ele chamava a atenção por ser o artista e a obra. Alegrava os turistas e a quem mais pudesse ouvir o som das suas flautas e sentir toda a pureza e genialidade do homem que partia de um pedaço de cana ou bambu para fabricar seus instrumentos  musicais. E foi exatamente num dia 25 de julho, em meio a toda efervescência de um festival, que a vida lhe faltou.

Bené da Flauta, como foi conhecido e hoje é lembrado com muita saudade, morava no Morro da Queimada numa “cafuá” com sua irmã Maria. Sua arte se limitava as suas mais criativas invenções musicais. Uma vez, empregado na construção da Estrada de Ferro Central do Brasil, Bené descobriu que dos dormentes dos trilhos surgiam incríveis esculturas de madeira.

Em troca de um dinheiro qualquer que garantisse sua cachaça, ele espalhava sua arte pelo Brasil afora. A vida não lhe permitiu uma companheira, talvez por não haver beleza igual  no mundo. 

Mas, as lembranças desse lendário personagem, nem o tempo poderá levar das ladeiras de Ouro Preto!

“Assim sim, mas assim também não. Essa vida é mesmo assim, quem é muito no começo, chora saudades no fim”. (Bené da Flauta)

Bené da Flauta – Restaurante e Café

Rua São Francisco de Assis, 32, Centro

Ouro Preto – Minas Gerais – Brasil

contato@benedaflauta.com.br

Fone: (31) 3551-1036

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s