#Cervejaria …uma paixão, não um produto… (@falkebier)

Um blog como este – de uma pessoa praticamente desconhecida no meio internítico -, que fala dos achismos meus de cada dia, passar das mil visitas em menos de um mês, com certeza é um grande feito. Isso, claro, só pode ser imputado à divulgação feita pelos amigos, pois minha habilidade na escrita (prolixa e com frases truncadas) não é das melhores.

Nada melhor, então, para comemorar esse feito, do que falar de um lugar que eu recomendo a visita a todos os amigos, amantes ou não da boa cerveja: a Falke Bier.

Eu sei que, pela leitura dos meus textos, muitas vezes as pessoas devem acreditar que meus posts são puxasaquísmos aos feitos dos amigos, mas dou minha palavra que não. O máximo que farei para o caso de um feito de um amigo que me desegrade será poupá-lo de meus comentários aqui no blog, nunca o contrário.  Além disso, lugares como o Café com Letras e a Mamãe Bebidas – cujos proprietários sequer conheço pessoalmente – foram tão bem indicados quanto os daqueles que consideros especiais, o que demonstra minha isenção.

Com a Falke com certeza não será diferente, até porque quem conhece o Marco Falcone (um dos proprietários da Cervejaria) acaba se encantando ainda mais pelo trabalho dos três irmãos que fundaram aquela fábrica de paixões.

No maior estilo Roberto Carlos Ramos, Marco Falcone foi atencioso e preocupado com os detalhes de cada informação que nos passou nas maravilhosas horas de vistitas à Cervejaria. Por sorte, eu e o namorado pudemos desfrutar de outros tantos momentos ao lado dessa pessoa tão encantadora, como em nossas visitas ao Frei Tuck e ao Rima dos Sabores. O Marco, aliás, quem me contou a história acerca dos famosos happy hours em Belo Horizonte.

Situada em uma área campestre, a Cervejaria, em estilo alemão (as madeiras, contudo, são apenas ornamentais, já que toda a estrutura da fábrica é de concreto), é um ótimo lugar para relaxamento e integração com o meio ambiente.

O silêncio do local, aliado a uns bons copos das deliciosas cervejas Falke, é um convite tentador a uma soneca (no meu caso, não houve tempo hábil para tanto). Tive a feliz surpresa, contudo, de presenciar a visita de um pica-pau (sem a Paulina, contudo). As aves, por sinal, são frequentes por ali, a ponto de os irmãos Falcone terem adesivado os grandes vidros do espaço de degustação e análise sensorial de cervejas, o que encerrou com os fatídicos choques dos pássaros com as janelas fechadas.

E por falar no espaço de degustação e análise sensorial de cervejaso primeiro a ser feito no Brasil, é de uma organização singular, além de deveras agradável em razão das enormes janelas que permitem uma ótima iluminação natural e, claro, as fabulosas cervejas que são ali servidas.

O local, muito utilizado também em cursos, palestras, harmonizações e demais eventos associados à cerveja, possui um pequeno fogão, refrigerados potentes e chopeiras de onde saem os deliciosos chopps Pilsen, Red Baron e Ouro Preto (não vou aqui tecer comentários sobre as características de cada um, pois entendo mesmo é de beber. Mas podem ler sobre cada uma nos links acima. Não recomendo a leitura se estiver sem uma cerveja ao alcance, pois, equivale a assistir o filme Chocolate sem um como acompanhamento)

Nesse espaço que degustei T-O-D-A-S as cervejas/chopps da Falke Bier. Mas não apenas degustei: harmonizei. Isso porque o queridíssimo Marco Falcone fez a gentileza de comprar diversos queijos, servindo cada um juntamente com a respectiva bebida perfeita. É que Marco, além de mestre cervejeiro, também é biersomelier (ou beersomelier, não sei se há alguma diferença além do país de origem do termo).

Volto a falar das degustações/harmonizações adiante, pois agora queria destacar nosso passeio pelas instalações da fábrica. Reconheço que desconheço a tecnologia empregada em Cervejarias e não sei dizer se os equipamentos que vi na Falke são bons ou não. O que posso atestar é sobre o organização do local (esse adjetivo pode ser utilizado para se referir a todo o local) e a limpeza, que são impecáveis, a começar por uma tapete super ultra mega power que estabiliza os microorganismos dos sapatos com aqueles encontrados com no interior da fábrica (sim, há microorganismos em todo lugar, minha gente. Inclusive alguns fazem coisas ótimas, como cerveja).

O controle da contaminação, principalmente nos barris de chopp, é imenso, sendo lavados externa e internamente com muito cuidado. Presenciamos parte desse processo de lavagem.

Assim como na Wäls (o que esqueci de comentar no post dedicado àquela Cervejaria), todos os resíduos são tratados a fim de não haver poluição ao meio ambiente, o que é mais um ponto positivo a essas duas Cervejarias sensacionais de Minas Gerais. Cuidado, aliás, que parece ser intenso na região, já que outros estabelecimentos seguem essa mesma linha.

Não desmerecendo os demais espaços da fábrica, por certo que o lugar mais interessante é a adega onde ficam repousando as fabulosas Monasterium (o namorado brinca que foi com esta cerveja que me conquistou, pois a bebemos em nosso primeiro encontro. Aliás, repetimos a dose, então com harmonização, em outro momento).

Muito embora role a lenda de que tal adega não existe, se tratando de invenção do Marco, eu não apenas conheci o local, como também pude confirmar a presença constante de cânticos no ambiente. Sim, 24 horas por dia de música destinada unicamente às Monasterium. Segundo Marco, a disposição das garrafas permite que as ondas sonoras percorram cada uma e auxiliem as leveduras da cerveja a fazerem seu trabalho com maior harmonia. Pode isso, Arnaldo?

E depois o pessoal ainda tem a petulância de questionar o preço dessa cerveja? Aff! Como diria o manezinho: fasx tu, si achas qui pódi!

Mas não fiquei impressionada apenas com isso. Sim, meus queridos, tem mais. Não bastasse nos servir a Monasterium, o Marco fez a proeza de sabrá-la. Para os que desconhecem o termo e não entenderam bem a foto, significa arrancar o gargalo da garrafa de forma que não resulte em nenhum caco de vidro. Técnica para poucos e que rende sonoros uaus no maior estilo propaganda do Sandero.

Está bom por aqui ou querem mais? Independentemente da resposta, vou continuar, pois o blog é meu e a Falke não se limitou ao dito até aqui.

Encerramos a visita em altíssimo nível: Vivre, queijo brie e damasco (fruta e geléia). Harmonização mais que perfeita. A Vivre surgiu de um problema encontrado em uma leva de Monastarium. Guardada por cerca de 3 anos até que fosse colocada no mercado, além de descartado cerca de 60% de sua produção, recebeu jacuticaba em sua composição, tornando-se a primeira Lambic Fruit brasileira.

O preço, 200 pilas, não é caro se considerarmos todo o tempo em que a fábrica ficou com alguns de seus tanques parados e os 60% de descartes necessários para produzir uma iguaria como essa. Edição limitadíssima, não tem previsão de nova produção.

Se você quer provar essa preciosidade, ou gostaria de experimentar quaisquer das outras cervejas da Falke (vale muito a pena), recomendo o Mamãe Bebidas, que já foi alvo de análise aqui. Mas, se puder fazê-lo, visite as instalações da Falke. Uma experiência única e memorável.

Cervejaria Falke Bier

Condomínio Vale do Ouro, BR-040 – km 508, sentido Brasília.

Alameda dos Falcões, 680 – Vale do Ouro

Ribeirão das Neves/MG

Telefone: (31) 3031-2888

PS1: agradecimento especial aos irmãos Marco e Ronaldo Falcone, que tão bem nos receberam em sua casa. Sucesso a essa família que nos presenteia diariamente com cervejas tão especiais.
PS2: desculpem o post longo, comum apenas no outro blog. Mas a Falke Bier o exigia.

____________x_____________

Em tempo: a harmonização do queijo brie e damasco foi com a Monasterium e não com a Vivre. Desculpem-me pelo equívoco.

Anúncios

One thought on “#Cervejaria …uma paixão, não um produto… (@falkebier)

  1. Pingback: Vivre pour Vivre: a #AlmaBrasileira « Gastrobirra

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s