#Bar Frei Tuck: a última sulista a visitá-lo

20110724-131235.jpg
A frase do título pode ser um pouco pretensiosa, até porque não investiguei a fundo esse dado, mas, com toda certeza, fui uma das últimas sulistas a visitar o (Frei Tuck, casa de cultura cervejeira que fecha suas portas hoje (24 de julho de 2011).
O local, considerado o reduto dos cervejeiros artesanais da Grande Belo Horizonte – e olha que aqui as microcervejarias artesanais são muitas – promovia os mais variados eventos relacionados à iguaria, assim como cursos, degustações e festivais.
Por essa razão, escolhido como a sede “informal” da Acerva Mineira
Com um cardápio “cervejístico” beirando os 120 rótulos, tem a Falke Bier como seu “carro chefe”, oferecida nas opções cerveja e chopp.

20110724-141607.jpg Em seu cardápio era possível encontrar os mais variados petiscos, como bolinho de mandioca com carne de cordeiro e a deliciosa língua defumada ao molho de vinho (ainda que você não goste de língua, esta, com certeza, iria te fisgar nem se fosse pelo molho e aromas que exalava).
Inaugurado no primeiro dia de novembro de 2006, a casa encerra hoje suas atividades com muitas lágrimas nos olhos de seus fiéis clientes, que, sem exageros, estão se sentindo órfãos.
Eis o e-mail encaminhado à Acerva Mineira, pelo proprietário da casa, Luiz Flávio, dando conta do fim desse lugar tão especial aos amantes da cerveja em BH:

20110724-143716.jpg Amigos,
no dia 1º de novembro de 2006, com uma degustação de Falke Bier e Eisenbahn, dirigida pelo Rodrigo Lemos, o Frei Tuck Slow Beer foi inaugurado com a proposta de ser uma casa de cultura cervejeira!
De lá pra cá, vivenciamos uma revolução cervejeira em BH e no Brasil.
Participamos ativamente dela, e, juntamente com o Rodrigo Lemos e sua Confraria da Cerveja, criamos e ministramos cursos de degustação a centenas de iniciantes;
com o Danilo, que acabou de ressurgir das cinzas e depois com o Zé Augusto “Junin”, formamos dezenas de home-brewers;
com o Marco Falcone, degustei inúmeras novidades importadas, nacionais e caseiras, bolamos eventos, rimos e praguejamos e vi nascer a lenda viva do movimento cervejeiro no Brasil;
com o Paulo Schiaveto, comemorei, por 19 segundos, o campeonato mundial de Fórmula 1 do Felipe Massa, de 2008, antes de subirmos para a Minas Beer Fest!
Com o João Becker, transformamos. em cinco anos, a comemoração do St. Patrick´s Day em BH, de um bando de jogadores de Rugby bebendo chope verde no Frei Tuck em uma verdadeira micareta irlandesa verde;
organizamos o primeiro concurso de cervejas caseiras de BH, o BH Home Bier e, talvez, um dos primeiros do Brasil e, em suas edições, surgiram grandes revelações cervejeiras;
com o Clube do LP, harmonizamos cervejas com boa música, uma vez por mês no Frei e em todos os nossos eventos;
degustei as surpreendentes e maravilhosas criações de magos como Humberto e Draghenvaard;
com o Ronaldo Morado, dei minha contribuição ainda que mínima, mas suficiente para constar nos agradecimentos, para sua Larousse da Cerveja (orgulho para os Mineiros!);
com o Dino e a Lú, até um casamento tivemos oportunidade de realizar!
Com o Alencar e Küd people, vimos um bando de amigos se organizarem e erguer uma bela cervejaria, respaudados por um título em concurso internacional de cervejas;
presenciamos o grande esforço de batalhadores como o Danilo, Pablo, Rômulo, Henrique, Patrus, Armando, Daniel e vários outros, que tiraram a Acerva Mineira do papel – quem tá chegando agora tem que reconhecer e respeitar, e muito, o trabalho destes pioneiros;
com o Frei Tuck Biergarten levamos, ao público leigo, a nossa vitória;
nestes 4 anos, 7 meses e 28 dias, meu rótulo preferido sempre foi o chope Ouro Preto, da Falke Bier!
Logo, realizaremos a II Semana da Cultura Cervejeira, em vários bares de BH, promovendo, em um só evento, a interação entre micro-cervejarias e gastronomia, Acerva Mineira, Confraria da Cerveja, bares cervejeiros, Clube do LP e o público ávido por gotas de conhecimento cervejeiro;
Mas, como quase tudo na vida é passageiro e nós não somos trocador nem motorista, é com a sensação de dever cumprido que anuncio que os próximos 25 dias serão os últimos do Frei Tuck na esquina de Andaluzita com Contorno.
Andere Mauern werden fallen!
Agradeço por todos os amigos que fiz e pelas experiências que vivenciei.
Estaremos juntos do outro lado do balcão.
É hora de passar o bastão!
Abraços,
Luiz Flávio L. Ferreira

A Frei Tuck funcionava na Avenida do Contorno, 5757, Bairro Savassi – Belo Horizonte/MG.

PS: peço desculpas pela formatação “estranha” do post, mas foi inteiramente editado no IPhone, inclusive as ruins fotos!

Anúncios

One thought on “#Bar Frei Tuck: a última sulista a visitá-lo

  1. Pingback: #Cervejaria …uma paixão, não um produto… (@falkebier) « Não vá se perder por aí

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s